Fiscalização em acesso às estações de trem cria aglomerações no RJ

Decreto do Governo limita uso de transportes intermunicipais para pessoas que fazem parte do grupo de trabalho essencial, como profissionais da saúde

Os moradores da Baixada Fluminense enfrentam nesta segunda-feira (23) grandes filas para conseguir acessar as estações de trem da região. Isto porque um decreto do Governo do Rio de Janeiro limitou o transporte intermunicipal às pessoas que fazem parte do grupo de trabalho essencial, como profissionais da saúde e funcionários de supermercados e farmácias.

Rio: Prefeitura decreta fechamento do comércio a partir de terça (24)

A fiscalização está sendo feita por agentes da SuperVia, empresa que administra o transporte de trens urbanos do RJ, e policiais militares. Para conseguir entrar na estação, os trabalhadores precisam apresentar algum documento que comprove vínculo empregatício, como crachás, carteira de trabalho ou contracheque.

De acordo com a SuperVia, o controle de acesso está sendo realizado nas estações Austin, Comendador Soares, Edson Passos, Engenheiro Pedreira, Japeri, Mesquita, Nilópolis, Nova Iguaçu e Queimados no ramal Japeri, Belford Roxo e Pavuna/São João de Meriti no ramal Belford Roxo e Corte Oito, Duque de Caxias, Gramacho e Saracurna, no ramal Saracuruna.

Outras nove estações estão fechadas para embarque e desembarque de passageiros: Olinda e Presidente Juscelino no ramal Japeri, Lages e Paracambi na extensão Paracambi, Agostinho Porto, Coelho da Rocha e Vila Rosali no ramal Belford Roxo e Campos Elíseos e Jardim Primavera no ramal Saracuruna.

Rio quer abrir hotéis para idosos que moram em área de risco

As linhas das barcas que ligam a região metropolitana à capital fluminense também estão funcionando com controle de acessos, mas sem grandes filas durante a manhã.

Veja abaixo a lista completa dos grupos de trabalho essenciais com acesso livre aos transportes intermunicipais:
– Servidores públicos em serviço;
– Profissionais do setor de saúde;
– Profissionais do setor de comércio relacionados aos gêneros alimentícios;
– Profissionais dos setores de logística e transporte;
– Profissionais de setores industriais que trabalhem com alimentos, farmacêutica, material hospitalar, material médico, produtos de higiene ou limpeza, ração animal, óleo e gás, serviço de apoio às operações offshore, refino, coleta de lixo, limpeza urbana, companhias de saneamento e distribuidoras de gás e energia.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Celso Fonseca

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *